5 de novembro de 2016

Daniel Baboo no Sub Club

DSC03610

Uma das novidades da próxima edição do Sub Club , que acontece dia 5 de Novembro na Ork Music Sessions, é a feira mix onde haverá a venda das camisetas exclusivas da Substation e a exposição das peças do designer de móveis e escultor Daniel Baboo, conheça mais sobre o artista a seguir:

 

Iluminador, contrabaixista, marceneiro e designer de móveis, escultor. Daniel Baboo é

um assíduo participante da cena cultural local desde o início dos anos 2000. Em 2003,

sob curadoria do jornalista e pesquisador Álvaro Brandão, realizou, num galpão no

bairro histórico do Jaraguá, a exposição “Resíduo é Arte”. “Eram quadros, mas havia

uma escultura, que a produtora Sue Chamusca comprou”, conta o artista, de 47 anos,

com um ateliê montado no bairro da Serraria, na parte alta de Maceió, a Baboo Arts. É

onde cria as peças que ele – citando a professora e curadora Carol Gusmão – chama de

“cromoplásticas”.

“Carol escreveu um texto sobre outra exposição de que participei, em 2005, uma

coletiva no espaço do Glauber Xavier [músico e produtor de vídeos]. Glauber promovia

eventos na casa dele – a ‘Saudável Casa Subversiva’. Outros artistas participavam, o

poeta Tainan Costa… Nessa exposição apresentei já um trabalho voltado para a

escultura.”

Daniel Baboo concorda que o adjetivo usado por Carol Gusmão, “cromoplasta”, define

bem a qualidade do trabalho que realiza. “É que utilizo o preto e o cromado desde essa

época. É uma técnica que uso até hoje, a coisa do contraste absoluto”, explica,

lembrando algumas obras desse período. “Eram caixas com elementos – numa delas,

que foi adquirida pelo arquiteto Henrique Gomes, havia uma torneira e o pingo d’água

era de vidro. Estou fazendo releituras dessas peças.”

Carol o comparou a Marcel Duchamp (1887-1968), o genial pintor e escultor francês,

famoso nos Estados Unidos por um trabalho conceitual utilizando peças

industrializadas na composição das obras. O processo de transformação de objetos

prontos em peças de arte ficou conhecido como “ready made” – em tradução livre, “já

fabricado”.

É um conceito que, sim, você vai encontrar nas obras de Baboo. Peças de automóvel,

por exemplo, viram capacetes medievais ou um lustre ou um abajur. Os abajures são

incríveis – como, aliás, todas as obras “fabricadas” ou criadas pelo artista. Mas é um

trabalho absolutamente original, tem uma marca. Baboo não precisou ir aos museus

ver os quadros de Duchamp e Matisse para criar. A inspiração dele coincide sim com as

transgressões e cores primárias desses dois grandes mestres modernos. Mas fica nisso

– coincidência, sincronicidade.

“Depois que Carol Gusmão falou que eu fazia ‘coisas inusitadas’ como Duchamp,

comprei alguns livros sobre ele e, também, sobre Matisse [Henri Matisse – França,

1864-1954], que tem essa coisa das cores primárias: branco, azul, preto, que eu gosto

muito. E Duchamp também era cenógrafo – e a cenografia é parte da minha

experiência artística e profissional”, Baboo dá as pistas dos próprios conceitos,

afirmando com tranquilidade que a arte que perpetra é “como um hobby, um

brinquedo”.

“Quando criança, quebrava meus brinquedos para poder refazê-los. Com 11, 12 anos,

eu vivia montando coisas. O primeiro objeto que criei foi uma guitarra de madeira com

pedaços de arame. Meu cotidiano é esse, tenho muita coisa em casa, sou um assumido

acumulador. Mas de possibilidades futuras: eu pego as coisas e depois as transformo.

Não é para ficarem ali guardadas. Eu acumulo para criar. Quando produzo minhas

obras é como se estivesse fazendo um brinquedo.”

 

Daniel Baboo: Escultura lúdica e cromoplástica

Por Jorge Barboza

 

Baboo Arts – Esculturas em ferro e madeira, mobiliário, luminárias, peças decorativas.

Daniel Baboo, tel. (82) 99973 3850.

14938060_10154291253258143_1722997408_n

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *